O que se aprende na universidade não se leva ao campo

O que se aprende na universidade não se leva ao campo


Nesta semana, Curitiba está recebendo convidados do Brasil e do mundo para o IV Encontro sobre Agricultura de Precisão, realizado na Ocepar. Entre eles, o doutor Steve Phillips, do International Plant Nutrition Institute (INPI), dos Estados Unidos, que trouxe na bagagem um alerta: muito do que é ensinado nas universidades com foco agronômico não é utilizado ou não chega ao campo.

Em palestra sobre o tema, o especialista citou um exemplo concreto de um consultor independente que ‘adotou a profissão’ depois de ser professor nos Estados Unidos: “Ele viu que as coisas não eram iguais no campo. Precisamos ter essa preocupação de ligar a sala de aula à produção agrícola”.

  
(Steve Phillips durante evento na Ocepar)

Essa apreensão também acontece no Brasil. “Quem está se preparando são os consultores [agronômicos] e os vendedores [de insumos]. A academia quase não tem esse diálogo com o produtor”, afirma José Paulo Molin, presidente da Associação Brasileira de Agricultura de Precisão (AsBraAP).

Levando o conhecimento

A esperança de uma melhor conexão entre teoria e prática está depositada justamente nesses consultores. “Muitos creem que basta entregar um mapa colorido, sem análise. O problema é que isso gera confusão no produtor, que só vai entender se tiver uma consultoria”, destaca o norte-americano. Outra questão citada é a geracional, que pode facilitar (ou dificultar) a compreensão das tecnologias e inovações no campo, por meio de aplicativos, ferramentas ou plataformas.

“Dependendo da região, do nível educacional e da familiaridade com a tecnologia em geral, a agricultura digital vai contribuir muito. Vemos que em algumas regiões a idade dos produtores rurais está até mesmo decrescendo, com pessoas jovens. A adoção nessas comunidades deve acontecer muito rápido”, destaca Steve Phillips em entrevista à Gazeta do Povo.

Paulo Molin é menos otimista quanto à atualização dos profissionais: “Não sei até que ponto [os produtores] estão prontos, chega a ser dramático. E ainda estamos formando profissionais do século XX. Além do nível do consultor, temos o nível do operador [de máquinas]. O operador de 15 anos atrás e o de hoje é muito diferente. Temos uma crise sinalizada, pois haverá muitas mudanças pela frente”.

O fato é que a agricultura vai depender cada vez mais da tecnologia para se tornar mais eficiente, na visão de Phillips. “Globalmente, com o crescimento da população, estamos encarando pressão na produção agrícola para produzir mais comida, nas mesmas terras e com recursos limitados. Precisamos integrar a tecnologia para sermos mais eficientes”, desta o especialista, sinalizando a necessidade do aumento da produtividade.

Novidades à vista

Para ampliar esse debate, Molin e Pedro Magalhães, engenheiro agrônomo e secretário da AsBrap, anunciaram: “Aproveitamos [o encontro em] Curitiba para lançar o convite para o Congresso Brasileiro de Agricultura de Precisão”, diz Magalhães. O evento também será na capital paranaense dias 2 a 4 de outubro. A expectativa é reunir 800 participantes, entre profissionais de assistência técnica e extensão rural, pesquisadores, professores, produtores, estudantes, empresas e usuários de técnicas de Agricultura de Precisão no Brasil.

Esse incentivo ao diálogo é elogiado inclusive pelo ‘gringo’ Steve Phillips: “Vejo mais similaridades do que diferenças entre o Brasil e os Estados Unidos [quanto à agricultura de precisão], mas o Brasil pode ter orgulho de suas cooperativas. Elas estão muito a frente na busca por tecnologias e novas plataformas. São pessoas que não estão à serviço por grandes companhias e que colocam a ‘bota na terra’”.

 

Fonte:  http://www.gazetadopovo.com.br/agronegocio/agricultura/o-que-se-aprende-na-universidade-nao-se-leva-ao-campo-ee5a9sfawatxctrceucrxuqj0

 

Leonardo Lopes Ramos

Posted by Leonardo Lopes Ramos

Quisque sollicitudin ante vel nulla bibendum varius. Praesent lobortis felis erat, id sagittis quam mollis ac. Aliquam erat volutpat. Integer at tellus bibendum, consequat turpis ultricies, facilisis lectus. Mauris iaculis quam dolor, id commodo lacus viverra eget. Nulla porttitor est placerat lacinia placerat. Class aptent taciti sociosqu ad litora torquent per conubia nostra, per inceptos himenaeos.

0 Comments - This is an example slider gallery post type

Leave a comment